Dr. Rafael Shamá

O que é SEPSE?

Sepse 2 - Dr. Rafael Shamá

Sepse é uma resposta séria e generalizada do corpo à bacteremia ou a outra infecção juntamente com o mau funcionamento ou insuficiência de um sistema essencial do organismo. 

Choque séptico é a pressão arterial perigosamente baixa (choque) e insuficiência orgânica com risco de morte devido à sepse. Os sinais e sintomas mais comuns são febre, aumento do ritmo cardíaco, aumento da frequência respiratória e confusão mental.

Determinadas infecções podem desencadear sintomas específicos, como tosse no caso de pneumonia, ou dor ao urinar, no caso de uma infeção renal. Nas crianças mais novas, em idosos e em pessoas com o sistema imunitário debilitado, é possível que não se manifestem sintomas de infecções específicas, podendo também apresentar temperatura baixa ou normal, em vez de elevada. A sepse é causada por uma resposta imunitária do corpo a uma infecção.

É mais comum que a infecção seja de origem bacteriana, mas pode também ser causada por fungos, vírus ou parasitas. Os locais de infeção primária mais comuns são os pulmões, cérebro e órgãos abdominais. Entre os fatores de risco estão idade precoce ou avançada, um sistema imunitário debilitado devido a doenças como cancro ou diabetes, traumatismo com gravidade ou ainda queimaduras. 

Até 2016, o diagnóstico de sepse era determinado quando perante uma infeção se observava pelo menos dois critérios da síndrome da resposta inflamatória sistémica (SRIS). Em 2016, a SRIS foi substituída pelo sistema de avaliação SOFA, devendo-se observar pelo menos dois dos seguintes três critérios: aumento da frequência respiratória, alterações no estado de consciência e baixa pressão arterial. É recomendada a realização de hemoculturas antes da administração de antibióticos, embora a inflamação do sangue não seja determinante para o diagnóstico.

Pode ser usada imagiologia médica para determinar a localização da infeção. Entre outras possíveis causas de sinais e sintomas semelhantes à sepse estão a anafilaxia, insuficiência adrenal, diminuição do volume de sangue, insuficiência cardíaca e embolia pulmonar. A sepse é geralmente tratada com terapia intravenosa e antibióticos. Os antibióticos são administrados assim que possível, sendo o tratamento realizado muitas vezes numa unidade de cuidados intensivos. Quando a terapia intravenosa não é suficiente para manter a pressão arterial estável, podem ser administrados medicamentos que a aumentam. Pode ser necessário o recurso a ventilação mecânica e hemodiálise para assistir a função pulmonar e renal, respectivamente.

As pessoas com sepse necessitam de medidas de prevenção para evitar tromboses venosas profundas, úlceras de estresse e úlceras de pressão. Em alguns casos a quantidade de glicose no sangue pode ser controlada com insulina. A administração de corticosteroides é controversa. A drotrecogina alfa, embora tenha sido inicialmente comercializada para o tratamento de sepse grave, não demonstrou benefícios, pelo que foi retirada do mercado em 2011.

O prognóstico é influenciado pela gravidade da sepse. O risco de morte por sepse é de até 30%. No caso da sepse grave, este risco é de 50%, enquanto no choque séptico é de 80%. Desconhece-se o número de casos em todo o mundo, uma vez que existem poucos dados de países em vias de desenvolvimento.

Estima-se que em cada ano haja milhões de pessoas afetadas pela doença. Nos países desenvolvidos, entre 0,2 e 3 pessoas em cada 1000 são afetadas pela doença anualmente. 

A incidência da doença tem vindo a aumentar. É mais comum em homens do que em mulheres. A sepse tem sido descrita na literatura desde a época de Hipócrates. Tanto “septicemia” como “envenenamento do sangue” são termos em desuso.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Veja também